O que caras como sobre as meninas

Desabafo. Será possível que alguém daqui já passou por algo semelhante?

2020.11.23 11:44 VerySuper_sane Desabafo. Será possível que alguém daqui já passou por algo semelhante?

Esse vai ser um relato/desabafo pessoal meio longo. E meio doido tbm. Quem ler até o final vai entender.
(Hoje tenho 20 anos, homem, gay)
Bom, n vou me referir por nomes, nem inventar um fictício. Acho q vai dar pra entender.
Eu conheci esse menino quando eu tinha 9 anos, na escola. Ele nem andava comigo, não era do meu tipo de "circulo de amigo". Eu não lembro como a gnt passou a andar juntos. Acho q foi com 10 anos q ele veio na minha casa pela primeira vez. Eu tinha um videogame, ele não (essa velha historia). Eu lembro q nesse primeiro dia ele ficou pouquíssimo na minha casa, até pensei q nem seriamos amigos. Mas não foi o que aconteceu. O que aconteceu foi que nesse período (6º 7º e 8º anos da escola), a gnt passou praticamente a viver um na casa do outro. Todo final de semana ele me ligava. Curiosamente, era ele que me ligava pra gnt marcar alguma coisa; não que eu não quisesse encontrar com ele (era o que eu mais queria); mas sempre funcionou desse jeito. Por enquanto estes foram os melhores momentos da minha vida.
(Agora complica um pouco)
Qnd eu disse que eu jamais pensei em ser amigo dele, é porque ele era popular pra caralho. E , de longe, um dos meninos (menino naquela época, agora já temos 20 anos) mais lindos que eu já vi. Tipo, facilmente, 10/10. Nessa época, rapaz kkk, eu era o ápice da feiura (tinha espinha pra caralho). Eu e ele éramos tipo o Yin yang da beleza.
Com 10 anos de idade, eu n parava pra pensar o q era ser gay. Era obvio q eu tava apaixonado pelo mlk. Mas era mto cedo pra pensar nisso ainda.
Ok. Questões. Pq porras ele queria andar ou vir na minha casa? Eu devia ser engraçado pra caralho, pq se fosse pelo videogame, tinha vindo uma vez só mesmo. Pra vc ter ideia, amigos dele e meus tinham ciúme dele preferir vir na minha casa. Sobre as meninas, todas (todas) queriam ficar com ele.
As vezes eu acho q imaginei, mas penso ser impossível ter imaginado algumas situações (pq eu só fui me tocar dessas situações qnd percebi q era gay). Uma delas, qnd a gnt tava jogando, ele encostou a cabeça dele na minha (eu fiquei sem reação, eu sou um idiota do caralho) Noutra vez, eu acho q eu falei alguma coisa q ele n entendeu, mas ele respondeu "eu tbm te amo". Tbm ignorei.
Isso durou até 2013. Do nada (eu n sei o motivo, mesmo), a gnt (ele) simplesmente parou de me ligar (9º ano). N sei o q aconteceu, mas ele começou a dar atenção pra galerinha mais popular tbm e fingiu q eu n existia mais (estranho pra caralho, eu tbm me dava bem com essa galerinha popular; não tinha o pq dele me excluir, se o objetivo dele era fazer parte desse grupinho). Eu fiquei mto puto. O que eu fiz? Comecei tbm a andar com essa galerinha tbm, de proposito. A gnt passou a se excluir (se eu andava com um grupinho, ele NÃO chegava perto. Se ele andava com um grupinho, eu tbm NÃO chegava perto desse grupinho). Bizarro pra caralho. Alguém já passou por uma situação assim? Pq é tão ridícula que eu fico pasmo hj em dia.
A gnt ficou nessa guerra fria até um dia q eu desencanei. Já tinha levado até uma suspensão, por fazer graça na sala (pra ganhar atenção da galerinha popular). Nos anos seguintes, ensino médio, a gnt n caiu na mesma sala nenhuma vez mais.
Começou tbm a fase de beber, ir em festa. Nunca fui desse tipo e não sou até hj; foi qnd eu realmente parei de sair com essa galerinha "popular". Acabei criando círculo de amizade com um grupo de amigos q eu levo pra vida (mas estes n eram/são amigos da "turminha" dele, até tentavam, mas o grupinho dele sempre excluía).
Mas eu não conseguia esquecer ele. Ele começou a namorar uma amiga minha (ela é super gente fina, adoro ela); e ele fazia questão de abraçabeijar ela qnd eu tava perto. Dava pra perceber.
Mtas das coisas q eu fiz na minha vida nessa época foi por conta dele. Tipo, eu cheguei a aprender um instrumento musical pq vi num snapchat (sim, isso existia!) ele tentando tocar. E eu aprendi o bagulho, toco pra caralho (modéstia a parte). Vai ver eu sou louco mesmo.
Acho q foi no 2º ano q eu percebi q eu era gay. Foi tipo um insight pra mim. Tudo fazia sentido. esse era o motivo desse puto n sair da minha cabeça. Lembro uma vez q a gnt tava na escola mais uns 3 amigos falando de beijar etc (isso no 2º ano tbm). Ai ele manda zoando "acho q eu beijaria a boca dele (ele falou meu nome)". Eu fiquei ?? (geral riu e continuou conversando, inclusive eu).
Antes de falarem q faltou atitude minha (supondo q ele é gay), realmente, qnd a gnt era criança (mas eu era criança, porra). No ensino médio, depois da minha "realização", eu tentei me aproximar dele de novo, mas ele tava numa vibe diferente (queria fumar maconha, dar pt em festa, esse tipinho) e tava namorando. Essa minha amiga com qm ele namorava terminou com ele tbm (por conta dessas imaturidades dele q eu citei)
O engraçado é q ele finge ter apagado os momentos q a gnt andava junto. Tipo, qnd acabou o ensino médio, no dia antes da formatura; dia q todo mundo falava de todo mundo e o q passaram juntos desde criança (n sei se toda escola faz isso no terceirão, a minha fez), ele nem ia citar meu nome. assim, no meio do discurso dele, um amigo dele teve q falar meu nome pra ele, ai sim ele falou brevemente q a gnt tinha sido mto amigos (é serio, até esse amigo q falou meu nome pra ele nesse momento fez isso pq devia n estar entendendo o pq dele n me mencionar, ele era um dos q tinha ciúmes dele na época q ele andava cmg)
Eu pensei q iria esquecer dele depois da escola mas, pasmem, não esqueci. Isso é foda, talvez eu ainda pense nele por conta das situações "semigays" q passamos juntos.
Estamos fazendo faculdade (universidades diferentes) já, e eu ainda me pego pensando nele. Nunca disse nada do q eu sinto por ele.
Seria possível q ele fosse bi? Cara, é mto contraditório. Ele namorou com outra menina depois do ensino médio, mas acabaram faz pouco tempo.
Eu mandei uma msg pra ele faz umas duas semanas. eu estava num estado meio chapado (q ironia, achava tão ridículo ele querer usar droga no EM. Btw, ele desencanou tbm dessa fase de querer ser o "fodão" q vai em 30 hps por dia. Ta bem mais maduro) perguntei se ele queria marcar alguma coisa. Ele prontamente respondeu q sim. Eu sou idiota. E se ele respondeu por amizade? Tipo, apesar das minhas neuras, quem disse q ele é gay/bi?
Mas é isso. N encontrei ngm q fosse tão incrível q nem ele (encontrei pessoas bonitas como ele, mas geralmente a pessoa n queria ou era chata q dói, e a maioria era só pq eu achava bonito mesmo. Falando em beleza, eu dei uma melhorada tbm kkk).
Será possível existir alguém aqui com alguma historia semelhante?
Eu realmente marco esse encontro com ele? Vou fazer o q? Só vai fazer eu pensar nele DE NOVO e vai acabar em pizza.

Foda. (Agradeço imensamente a paciência e atenção de quem leu até aqui)
submitted by VerySuper_sane to arco_iris [link] [comments]


2020.11.23 04:27 tatimczr_ minha rotina

Pra quem tem dúvidas sobre o que eu faço pra manter meu shape e minha inteligência, segue minha rotina:
Nofap + Banho Gelado + MGTOW + comer carne crua + comer virado pra parede + redpill + grupos de linhagem viking do facebook + comer arroz sem sal com peixe cru sem tempero enrolado em folha do fundo do mar + vídeos do Rodrigo Baltar + jogar vape na cara de todo mundo que tentar entrar no bloco da faculdade + tomar banho descalço em chuveiro de academia com chão mijado + assistir vikings + Terapia Holistica com formandos da UFPR no Jardim Botânico + 2 cápsulas de Tadalafellas antes do sexo + palestras do Antonio Conte + essência de morango da turma da mônica no narguilé + 1fps way + Barra Fixa na praça de madrugada escutando audiolivro do Jordan Peterson na voz do cara dos Fatos Desconhecidos + energia vril + dormir virado pra patede assoviando no escuro pra espantar o curupira + Metatron 432HZ no YouTube entoando a oração EU SOU + HBD + Brain Force + 432hz music + jejum de 24hrs a cada 72hrs + Selo super fã da fúria e tradição + 5 segundos de calistenia no deserto do atacama + aprender como fazer sigilos + só comprar comida japonesa importada pra dieta + Canal Jason PROJETO GIGA + agua alcalina + chamar chinês de pastel de flango + meditação transcendental + contar bigs e smalls + quebrar palito de dente no meio depois que usar + andar com dorsal aberta pra demostrar dominação e confiança + humilliation exposure com a finalidade de criar uma crosta na sua mente capaz de desenvolver uma resiliência que resiste à humilhação como se ela fosse nada + Canal SocialGames7 com Gustavo Gambit e CIA + ser ex-membro do grupo Comunismo Ortodoxo + Jordan Peterson + ir no cinema sozinho + jogar ragnarok + dar 3 pulinhos toda vez que levantar da cama + dormir virado pra parede assoviando no escuro pra espantar o curupira + Deus Vult na capa do Facebook + Regata branca WifeBeater com calça jeans clara e bota marrom + minoxidil para cultivar uma barba + assediar JBs enquanto dirige Uber + Limpeza de 21 dias de São Miguel Arcanjo + grupo POPEYE AFIANDO A PIKA + se masturbar pelo cu + 6 meses de jelq + curso de programação back-end + camisa gibeiranaro 2022 + ler O Código da Vinci + arrancar a fimose comendo cu apertado de galinha caipira + recitar Homero pra mendigo + stories do Copini no Instagram + Dormir imaginando uma linha pra fazer viagem astral + PPL + músicas para concentração, foco e inteligência + Comprar toras de eucalipto pra reproduzir o centurion method mas nunca começar o treinamento + assistir videos de situaçoes de risco com a finalidade de se preparar para o perigo + dormir no chão pra consertar a postura + Centhurion METHOD + bullet-proof coffee + essência de Narguilé sabor morango da Turma da Mônica + perguntar se prefere 20cm de pai ou 200k + Biblioteca do Dídimo Matos + ouvir rap eslavo de cunho político suspeito + cosplay de russo no Omegle pedindo pra mostrarem a bunda + ensinar hino do botafogo pra calopsita + artigos da Nova Resistência + Jesus Quântico + Escutar a discografia do Paul Waggener + óculos do aécio na foto de perfil + teste de QI da internet + fazer teste genealógico + hackear o sono + contar macros e micros + injaculação guiada + comprar Chainlink + veganismo + café gelado sem açúcar + ler crowley para soltar bola de fogo + Trollar atendentes do mcdonalds no habbo hotel + enema de café + punheta pra travestis femininas + assistir VT no premiere logo que chega do estádio + estudar python + Alho cru + dizer amém quando um 1113 azul passar por você na rua + apostas esportivas + Monja Coen + Meditar imaginando o raio de luz violeta que representa a energia transmutadora + rezar Pai Nosso em aramaico + compilação mitadas gibeiranaro e Enéas + 100 flexões por dia + comprar os artigos do Paul Waggener + dieta lair ribeiro + Stronglifts 5x5 + compilação mitadas Enéas + ler O Evangelho dos Animais + criar galinha no quarto sem os pais saberem + Memes do Fausto Silva + dormir ouvindo Ultraje a Rigor + intro do Canal do Nicola em loop + ligar para o Motel Astúrias perguntar quando custa a bolacha Bauducco que aparece no site + Radiestesia para harmonizar vibração da casa + textos de Raphael Machado (Nova Resistência) + musculação caseira + trilogia Mercenários + óculos do turn down for what na foto de perfil + ficar longe do poste de internet 4G + canto gregoriano árabe + chapéu de alumínio para se proteger das armas psicotronicas emitidas pela CIA + fritar comida com banha de porco + fazer bullying em deficientes + dicas do Gustavo Gambit + biohack + PUA + 3 horas de academia + tentar se comunicar com o ashtar sheran + baixar materiais de estudo e nunca estudar + vender máquina de cartão de crédito + Mexer o pau sem piscar o cú + dieta paleo + jelq + virar catequista e passar Plínio Salgado para as crianças + acessar o dogolachan pelo computador da escola pra postar fanfic gay do Gilberto Barros + grupos de linhagem viking do cancro + criar largatixa pra matar baratas + nota 600 no Bar mitzvah + exercícios penianos do Dr. Rey + Cd do TRETA + mostrar a jeba online + filmes do Jason Statham + 4 horas de corrida + ler Walden pelado na mata atlântica de madrugada + mewing + ler os escritos do Unabomber + comprar torre de chopp no prensadão + tomar antibiótico no café da manhã + minoxidil para cultivar uma barba e peito peludo + podcast do Joe Rogan + RSD + LibreFighting + artigos de O sentinela + ebook grátis de dieta + mascar café + café com um cubo de manteiga dentro precedendo a primeira refeição do dia + darkcel + progressiva no cabelo e creme de clareamento de pele + ler todos os livros do Pavel Tsatsouline + trilha sonora saga Rocky + uma colher de azeite quando acorda e outra antes de dormir + biohack + usar a oral-b do pai no cu na frente da tia crente + ficar longe do poste de internet 4G e 5G + youtube do varg vikernes + memes da página Dollynho Puritano + ouvir músicas em velocidade aumentada + postar meninas de desenho chinês + O Método de Wim Hof + Operation Werewolf + filmografia Jason Stataham + criar curso de como ganhar dinheiro na internet + atenção de chitãozinho e xororó + rivotrill + Dieta Cetogênica + fumar palheiro com o avô + dormir 5 horas por dia + Low doses gradativas de venenos pra criar resistência e evitar morte por envenenamento + fazer ERP + comer alho frito + Biokinesis + Fazer origami com papel do bis + Ingressar na legiao estrangeira + 10 livros de auto ajuda por mês + MyInstants AEEE KASINAO + maratona saga Rocky + perder dinheiro com maquina de pegar ursinho + Mandar entregar pizza na Rua dos Tamoios casa n°18 com portão vermelho + alho cru + coach quântico + pedir a bênção ao carteiro toda segunda de manhã + treino saitama + assoviar o hino do Palmeiras de ponta-cabeça + meditação iasd + canal Ultras World + Empreender + beber 2L de leite por dia + Jejum + aulas de italiano + dormir no chão + hipismo + sabedoria hiperbórea + youtube do Alexandre Tasca + Workshop Reiki do Canal Luz da Serra + perfil fake pago por encontros no foguinho + caderno de anotações smiliguido + sociedade thule + ler quotes do nietzsche no brainy quote
submitted by tatimczr_ to copypastabr [link] [comments]


2020.11.22 07:09 Novel_Resident_ "Melhor amiga"

( Alarme! Texto grande!! ) A muito tempo atrás na minha antiga escola eu tive minha primeira melhor amiga, porque eu nunca tive um amigo de verdade isso era muito especial pra mim, nós conversamos sempre, de intervalo até a saída todos os dias, ela era um ótima amiga até as coisas... Mudarem, ou melhor ela mudar.
1° bandeira vermelha: namorados.
Ela nunca foi uma pessoa de namorar até ela começar a gostar de um cara na minha sala, ela nunca parava de falar o quanto ela gostava dele e como ele era lindo e tals, ela falava tanto que esse acabou sendo o assunto favorito dela por meses, eu não suportava só falar sobre garotos ou em namoros ( e até hoje não é um dos meus tópicos favoritos. ) mas como eu sabia que ela nunca tinha se apaixonado antes era normal ela ficar toda hora falando dele, então eu só fui paciente, mas toda a vez que eu tentava puxar sobre um assunto diferente ela sempre dava respostas rápidas pra o assunto acabar logo, o que não era bem, muito legal. Eles acabaram namorando, yaaay. Eu finalmente achei que esse papo de garotos ia acabar mais só ficou pior, não durou muito tempo o namoro e eles terminaram bem rápido, ela passou mais um monte de meses só falando o quanto ele era babacas e tals e sla o que e novamente quando eu tentava só mudar de assunto ela continuava falando mau dele e dai pra frente todos os assuntos que ela tinha pra conversar girava em volta de garotos e namoros.
2° bandeira vermelha: Novas amizades.
Eu nunca tive problema em ter um amigo ou dois a mais, mais como ela era minha primeira melhor amiga era normal eu ter um pouco de ciúmes, a gente começou a sair um uma menina super bacana e eu não tinha nenhum problema com a presença dela, mas essa garota que começou a falar com ela não era gente boa, era repetente e também se metia em bastante briga e uns rolos aí, eu nunca fui de conversar com ela mais já a minha melhor amiga já adorou ela mas meio que essa garota ( vou chamá-la de Mara) a Mara não gostava nem um pouco de mim, era grossa, não tinha respeito pelas coisas que eu gostava e era bem violenta. Eu falei várias vezes para minha amiga ficar longe dela porque ela não era boa pessoa mas ela nunca me escutou ( ela nunca me escutava também quando eu alarma-va sobre garotos babacas que ela insistia em namorar) e então eu pensei, se ela não vai me escutar talvez eu tenha que fazer a Mara ir embora conversando com ela, então foi o que eu fiz, mas a situação ( obviamente) saiu do controle e ela fez minha amiga pensar que eu era muito ciumenta e a trouxe para o ciclo de amizade tóxico dela. Nós brigamos e depois disso paramos de nos falar por um bom tempo.
3° bandeira vermelha: Reconciliação.
Após muito tempo sem se ver, eu tinha me arrependido pelas coisas que falei e realmente acreditei que eu era apenas ciumenta e deveria pedir desculpas, e foi isso que eu fiz, eu pedi desculpas e ela também e nos abraça-mos, eu estava tão feliz, eu pensei que a gente era melhores amigas de novo e que tudo iria voltar a ser como era antes, bem não foi bem assim. Não nos falamos mais, ela criou um novo ciclo de amizade e eu também, os assuntos não eram os mesmo e acabou que o pedido de desculpas foi só pra não ter peço nas costas. Mas mesmo assim eu pensei "sem ódio, o que importa é que não estamos mais brigadas e é isso que importa" e assim foi, a vida continuou. Mas a história acaba aqui? Bem eu queria, mas não.
4° e última bandeira vermelha: Fofocas.
Lá estava eu com meu amigo ( vamos chamá-lo de Caio ) eu e ele estávamos apenas conversando no final da aula como fazíamos, mas ele estava agindo diferente. Ele não estava conversando muito e ria baixinho de vez em quando, eu não perguntei o porque pois eu queria respeitar o espaço pessoal dele e porque provavelmente não era da minha conta. Mas de repente ele para a conversa e fala: " Ei, é verdade que você gosta de mim?" Eu fiquei congelada no lugar, eu nem sabia o que disser, como ele sabia da minha quédinha por ele que eu tive no 4° ano? Eu não tinha contado pra ninguém, só pra... " Ei Caio, uh quem te disse isso?" Ele respondeu ainda com um grande sorriso em sua cara: " a foi a fulana ( minha melhor amiga ) ela disse que se gostava de mim e tals." Eu nem sabia o que responder, porque ela diria isso pra ele?? Eu fiquei furiosa, nós não éramos mais amigas mais ela sabia que o Caio era meu amigo! E melhor amiga ou não isso era totalmente babaca da parte dela contar um segredo constrangedor meu. Eu nem sabia o que responder, soltei a resposta mais rápida que pude pensar: " Ah... hehe é bem, eu gostava mesmo mais... Isso já faz muito tempo e hoje eu não sinto mais nada." Após isso eu vi seu grande sorriso totalmente desmoronar lentamente, e ficou um silêncio horrível entre nós, bem o Caio não conversou mais direito comigo depois.
eu nem sei o que pensar sobre ela hoje, e tenho medo de ela ter contado mais segredos constrangedores sobre mim. Bem foi isso, muito obrigado por ler até aqui! Até o próximo desabafo eu acho kkkk
submitted by Novel_Resident_ to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 06:16 NAOEXISTOaaa Vontade de ter uma namorada p fazer cafuné e assistir filme junto. uma conversa aq p quem quiser falar algo👍

Como eu queria encontrar uma garota foda e com uns bons papos, na minha cidade tem varias meninas q eu ficaria mas sla, eu tento ser galinha, mas não consigo, fiquei com 3 pessoas na vida, a 1° foi a q eu perdi o bv, ela era linda, muito boa de papo, era o tipo de pessoa perfeita pra mim que sempre penso que estou sendo inconveniente ou chato, eu pedi ela em namoro, ela aceitou e dps terminou cmg em 2 semanas, se eu não tivesse pedido ela em namoro talvez teria transado, não seria mt bom na vdd pra mim pelo menos, mas blz, a 2° foi uma menina q eu via as fotos e era afim a mt tempo, ela tem o meu tamanho, oq dificulta na hr dos beijos e era uma puta gostosa, tinha uma cintura fininha e umas pernas mt gostosas bem grossas, e um belo par de seios, porém, bem santinha, n pegou no meu pau nem nd, eu acho q deveria ter a iniciativa, e provavelmente conseguiria transar com ela, mas msm com td isso ela não me dava tesão pq era uma puta normie, sem assunto nenhum, não me cativava e beijava mal, eu nem ficava de pau duro beijando ela, agora to ficando com uma mina q é ex, de um ex amigo q foi banido, cara ela é linda, beija bem, é normie, não tem mt papo, mas já tem uma minima noção, cara eu namoraria com ela, mas eu fico pensando em como seria na escola, em como seria ter uma responsabilidade e desisto, e tb, eu não sinto tesão nela, isso me dá muita raiva pq seria uma oportunidade de transar, mas cara ela simplesmente não me dá tesão. Comentem ai galera sobre, desculpa se fui muito machista
submitted by NAOEXISTOaaa to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 01:49 kionda_movey Simplesmente CheckMate

Essa história é meio longa e não é linear, mas vou me esforçar pra resumir o máximo pra não exagerar aqui. Eu sou homem, tenho quase 20 anos e sou de uma família de classe média muito (muito) tradicional e conservadora. No final do ano passado eu comecei a namorar e aconteceu uma gravidez inesperada (apesar dos precauções), hoje temos um bb de 3 meses.
O que ocorre é que agora eu sou "forçado" a ficar com ela o resto da minha vida, já que temos um filho e tals, e eu gosto dela (hoje estamos de boa) o problema é que eu não sei se ela é "a pessoa" e eu ainda queria conhecer muita gente e aprender com outros relacionamentos; eu já fiquei sério com outras meninas, mas minha atual também foi a primeira namorada que eu assumi.
Eu gosto muito da minha família, daria minha vida por eles, mas tenho que manter uma certa postura por ser o filho mais velho, não tenho a liberdade ou espaço pra conversar com ninguém da minha família sobre isso. Além disso meus pais sempre foram superprotetores e raramente me deixavam sair com amigos (pq eu ia me drogar ou ser sequestrado), o resultado é que tenho pouquíssimos amigos e quase nenhuma habilidade social. Os poucos amigos que eu tinha se afastaram por causa da pandemia, estou em cárcere privado e não tenho uma boa presença virtual. Em resumo, estou sozinho e tenho que guardar tudo pra mim.
Minha namorada gosta de animes e se veste tipo egirl, mas ela não chega a ser otako. Nesse ponto a gente não combina, eu gosto de ler e pesquisar sobre economia e política, ela gosta de jogos online e assistir anime. O resultado é que 99% dos amigos dela são homens que assistem animes e jogam, e como ela joga online, esses caras conversam mais com ela do que eu. Isso me deixa muito mal, eu até tentei jogar mas sou horrível fui xingado a cada 2 seg, então fiquei com raiva e nunca mais joguei.
Ela também sai pra festas, eu não gosto de beber pq já tive muito problema com bebida, e simplesmente não consigo conversar com os amigos dela (em parte por não entender as conversas de shitpost e também por não ter habilidades sociais). Por isso fico em casa sozinho enquanto ela sai com os amigos homens, de saia e cropped. Eu sempre fui muito honesto e odeio traição, tipo krl pode ficar com outras pessoas mas tenha o mínimo de respeito e termine cmg antes se for fazer isso mds. Mas mesmo assim provavelmente ela me trai, eu não tenho provas, ninguém vai me falar pq não tenho contatos e não vou dar a doida de aparecer lá do nada pra pegar ela no flagra. Eu fico muito triste pq ela tem depressão, borderline e ansiedade e por isso ela bebe muito, mas ela está amamentando e eu não posso fazer nada. Se eu falar pra alguém isso vai criar um problema pra ela por umas 3 semanas, depois ela vai voltar a beber, a única diferença é que minha família vai odiar ela e eu vou ficar preso a uma pessoa que todo mundo da minha casa não gosta, então "denunciar" o consumo de álcool dela está fora de questão.
Eu tinha muitos plano pra esse momento da minha vida, queria visitar um tio que mora na Alemanha, ele iria pagar minha passagem e eu ficaria uns 6 meses na casa dele estudando. Tinha vontade de conhecer muitos lugares e me dedicar aos estudos, mas esses sonhos estão acabados pq agora tenho que "ser homem" e trabalhar pra comprar as coisas do meu filho, não consigo me dedicar aos estudos e não consigo fazer outros cursos para desenvolver outras habilidades (sempre quis tocar violão e sou péssimo em excel) pq quando não estou trabalhando nem estudando pra faculdade, tenho que cuidar de um bebê.
Não tenho nenhum amigo pra conversar, não posso sair de casa, me relaciono pouco com minha namorada por gostarmos de coisas diferentes e esse sentimento de ela estar me traindo está me matando por dentro, a desconfiança cresce como um câncer e me dá vontade de abandonar tudo e sumir pra sempre. Não posso falar sobre isso com minha família e pra mim tudo o que eu sempre quis fazer nunca vai passar de um sonho. É como se eu tivesse desperdiçado a "melhor parte da minha vida".
Hoje toda vez que eu encontro minha namorada eu tenho um embrulho no estômago por pensar que ela dormiu com outros caras e mesmo assim eu estou preso a ela. Não vejo nenhuma possibilidade de realizar meus sonhos e metas de vida e nem posso me dedicar aos estudos. Isso não me deixa desesperado nem com vontade de gritar de raiva, é como se eu já tivesse desistido, sem vontade de resistir a mais nada, como simplesmente flutuar em um mar gelado com esse gosto amargo na boca, sem condições de lutar. A pior parte do meu dia é quando eu acordo e me lembro que tudo isso não foi um sonho ruim, e não tem nenhum dia que eu não peça a Deus pra me levar, seja em um acidente ou doença. Eu não estou cansado de uma vida difícil, mas angustiado por ver um futuro longo e infeliz independente da direção em que eu olhe.
Fico feliz em poder tirar isso do meu peito e desculpe se houve algum erro de digitação, obrigado por deixar eu compartilhar essa história com você.
submitted by kionda_movey to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 01:08 bombarril Ruim com ela, pior sem ela

TL;DR: terminei hoje, eis aqui um longo desabafo.
Hoje de tarde pedi um tempo para minha então namorada. Nossa relação estava me fazendo mal, e os momentos bons eram tão raros que não compensavam o esforço. Mas como me dói... Eu ainda amo aquela menina, e sei que ela realmente estava tentando ser uma boa namorada para mim, só que eu não acho que ela possa simplesmente mudar o jeito dela, nem acho que isso seja correto.
Eu sinto falta de quando a gente era amigo. Tudo era tão mais fácil... A gente se via, comia junto, dava risada, assistia um filme. Depois disso, íamos cada um pra sua casa, sem compromissos, sem discussões. Só coisa boa. Começamos a namorar e começam as expectativas um do outro. Eu nem sei se eu pedia demais, sabe? O que me motivou a pedir um tempo foi a falta de interesse dela.
Eu sei que ela tem seus compromissos, e que o pai dela é um pé no saco, mas poxa, já estamos há 20 dias sem se ver, e moramos perto. Eu também tenho meus compromissos, e conseguia sempre arranjar um espacinho para acomodar algum encontro ocasional. Eu propunha encontros sempre, sempre. Na amizade a gente se via umas 3 vezes por semana. Começamos a namorar e passamos a nos ver aos fins de semana. Depois só de domingo. Estamos há algum tempo nos vendo domingo sim, domingo não. E pra mim isso simplesmente não dá. E quando a gente finalmente se vê, ela age tão distante... Ela não segura minha mão nem me beija. Se eu ganhar um selinho é muito. E mesmo que eu só abraçasse ela pelo resto da minha vida, por mim isso não seria problema, sabe?
Eu me sinto... descartável. Toda vez que eu planejo um encontro e ela me fala uma das 3 clássicas, eu fico bem mal.
  1. Estou ocupada
  2. Meu pai não deixa
  3. Não quero
E ela? Tanto faz. Ela mesmo me disse isso uma vez. Não fazia diferença se ela me visse ou não. Ela estava contente apenas trocando mensagens. A gente praticamente webnamora, embora moremos na mesma cidade e sejamos maiores de idade. Ela é um amorzinho por mensagens, responde rápido e a qualquer hora, sempre dizendo que me ama e que me quer na sua vida. Mas ela fala uma coisa e age de outro jeito... Sei lá. Peço pra fazer call e parece que eu tô pedindo o cu dela. Sempre um sacrifício pra ela fazer qualquer coisa. Convido ela para jogar o jogo favorito dela, pq eu tô com saudades, e ela várias vezes me diz q n ta a fim ou q tem mais oq fazer. Daí em questão de 1h eu vejo e ela ta la jogando solo q. Ah, mas vsf. Eu valorizo demais o tempo q eu passo com ela, seja oq for. Pra vc ter uma ideia, eu já fui até em velório pra outra cidade com ela. Odiei, foi péssimo, mas eu fui pq era com ela. A companhia dela me motivou. Agora ela? KKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Uma vez eu tava NA RUA DELA, e falei:
"Amor, tá em casa?"
"Tô, pq?"
"Tô aqui em frente kkkkk. Vem aqui"
"Não posso"
"Como assim?"
"Tô ocupada agora, não vou sair aí"
Eu chorei. Estava morrendo de saudades. Eu sou meio trouxa, eu admito.
Sei que ela era fiel. O problema real dela é a depressão. Ela sofre com isso desde a amizade, e eu sempre fiz meu melhor pra ajudar ela com isso. Sei que provavelmente seria bom pra ela que eu continuasse vivendo este relacionamento, mas honestamente, pra mim não dá mais. Choro quase todo dia, passo um puta nervoso, pq ela simplesmente se isola de mim e de todo mundo. Preferia ainda ser o amigo dela. Ser seu namorado tem sido desgastante.
Enfim, pedi um tempo pra ela hj de tarde, após mendigar pela terceira vez no dia se eu poderia ver ela. De manhã, ela disse q n sabia, q ia ver. No almoço, disse que faria faxina e q só se fosse mais tarde. Daí fim de tarde ela me diz q nem fez faxina, e que n ta fazendo nd, mas q a gente n ia se ver msm. Isso a gente estando há VINTE dias sem se ver. Daí eu tiltei. De modo educado, claro.
"Sério. Pra mim não dá mais. Não aguento mais esse sufoco pra simplesmente ver a sua cara. Eu quero um tempo."
A resposta dela?
"Tudo bem, eu compreendo. O que quer que você ache melhor para vc"
Não nos bloqueamos nem nada. Só não nos conversamos, e planejo tratar ela como uma conhecida por algum tempo, enquanto eu organizo minha cabeça, e ela a dela.
O que eu realmente espero com isso é que ela mude de ideia sobre tudo, e comece a me valorizar. Mas eu n acho q isso vá acontecer. Acho q acabaremos n voltando mais.
O que me dói, honestamente. Sei que todo mundo deve dizer isso, mas é minha primeira namorada e eu n consigo imaginar outra pessoa em seu lugar. Eu vou provavelmente procurar alguém muito similar, e comparar essa pessoa à minha ex. Eu simplesmente amo ela, conheço tudo dela, sei de tudo que ela gosta e de que ela não gosta. Sei dos podres, dos problemas, dos medos. E ela os meus.
Caras, aiai. Eu amo ela como eu amo minha irmã, como eu amaria uma filha. Eu quero tanto ela bem, puta merda. Eu tô mto dividido, queria que ela fosse diferente. É só... Mas é tão difícil...
Antes fosse só ela o problema. O pai dela me detesta por várias e várias razões. Eu tenho que ouvir as abobrinhas dele toda vez que cogito algo que ele não aprove, além do que ele já critica meu jeito e minhas atitudes. Ele me culpa por tanta coisa que eu nem tenho nada a ver...
Queria nunca ter pedido ela em namoro, gente. Acho que é isso. Sinto falta da minha amiga, e da minha paz de espírito.
submitted by bombarril to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 03:34 fabin_22 Qual é meu estilo?

É difícil nos encaixarmos em algum grupo quando não somos exatamente o perfil comum de cada estilo. Existem pessoas que não tem esse problema, elas desde sempre já são pertencentes a um grupo, e sem esforços pra fazer isso acontecer. Elas simplesmente já estavam lá, e é mérito delas, ou sorte. Mas para pessoas como eu, se encaixar em uma "tribo", ou ter pessoas com gostos semelhantes que se possa chamar de 'amigos' pode ser muito difícil e muito frustrante.
No terceirão eu sentava na fileira do canto, conversava com 2 ou 3 amigos que sentavam próximos a mim. Desse canto, eu observava a sala toda, todos os alunos rindo, paquerando, fazendo algazarra, e eu lá. Eu lá simplesmente observando o dia-a-dia de outras pessoas. Era estranho, como se a minha vida fosse assistir a vida das outras pessoas acontecer e eu lá, simplesmente só observando. E eu percebia algumas coisas de tanto observar. A mais patricinha das garotas era apenas e tão somente uma garota. Também tinha inseguranças, também se sentia mal por ser virgem quando sabia que outras meninas já haviam transado, até conversas de depilação íntima eu ouvi a menina mais bonita da classe dizer que estava há vários meses sem se depilar porque estava com alergia nas partes íntimas. Ou seja, todo mundo naquela sala de aula, sendo parte do grupinho popular ou não, nós éramos simplesmente adolescentes que não sabíamos nada da vida. Mas porque então eu me sentia sozinho? Porque ao mesmo tempo que eu me sentia igual a eles, também me sentia quase que um extraterrestre? Uma vez fui tentar conversar sobre isso com uma das pessoas que sentavam perto de mim e ele simplesmente me respondeu: "cara, toda sala tem os populares e os não-populares. Nós somos a segunda opção". Parecia que ele não se importava nenhum pouco com isso, como se fosse natural aceitar isso. E hoje em dia eu penso que de fato deveria ser. Mas na época não. Eu queria ser e algum grupo. E dentro dos variados tipos de tribos na escola, me veio a pergunta: qual é o meu estilo? "Qual é o meu estilo?" Por dias e dias essa pergunta ficou martelando na minha cabeça. Decidi que eu tinha que mudar. Ainda dava tempo de ter alguma experiência boa no ensino médio. Em uma quarta feira cheguei mais cedo e decidi me sentar exatamente no meio da sala de aula, bem onde os populares se aglomeram. Ali fiquei esperando por quase meia hora o pessoal e ir chegando. Alguns deles estranharam eu estar ali. Olhavam pra mim mas não diziam "bom dia", nem um "oi", nem mesmo um "sai daí, seu freak". Era como se eu fosse grande nada e um grande tudo ao mesmo tempo, sendo que esse 'tudo' muito incomodava as pessoas daquele meio, literalmente o tal "meio" da sala. Por fim, o que aconteceu? Os populares migraram para o canto da sala, exatamente na região em que eu costumava sentar. Os meus amigos, que lá permaneceram, até trocaram palavras com os populares nesse dia. Ouvi um "nossa, vocês são legais, poderíamos juntar os grupinhos". E eu ali. No meio. Sozinho. Mais sozinho do que nos dias normais. "Qual é o meu estilo?" Bem, nesse dia eu tive uma resposta provisória: meu estilo é o que não se encaixa. Nesse dia não ouvi nenhuma palavra que os professores disseram. Não conversei com ninguém. Cheguei em casa e nem chorar eu consegui. Acho que nem triste eu estava. Obviamente nem feliz.
Faz uns 2 anos que esse fatídico dia ocorreu na minha vida. Hoje em dia posso dizer que tenho alguns amigos que acho que fariam o mínimo por mim.
Eu adoro histórias de adolescência. É uma fase na vida das pessoas muitíssimo interessante e sempre gera ensinamentos e análises. Hoje em dia eu trabalho, e a pergunta "qual é o meu estilo?" pode ser facilmente respondida à noite, depois de uma jornada intensa e de seções de transporte público: "Meu estilo é o que simplesmente vive".
submitted by fabin_22 to desabafos [link] [comments]


2020.11.19 04:21 Pulseiraa Eu odeio adolescente

É... Boa noite, espero que todos estejam bem. Sim eu odeio a minha faixa etária, você deve estar pensando "Só mais um texto ridículo de adolescente..." Só lê oq eu tô escrevendo, please. Sim, minha faixa etária é uma merda, e eu não estou falando sobre as mudanças hormonais ou corporais, mas sim da idiotice/burrice destes seres. Então adolescente é a coisa mais escrota que existe, e eu quero entender o que acontece na cabeça da maioria, sigam meu raciocínio, alguns de nós são facinados por grupos, bandas, séries e etc... Eu entendo o fato de você gostar muito de algo, de verdade, mas a ilusão de uma vida perfeita no Canadá ou na Coreia com o seu cabeludinho/coreaninho (entre outras categorias) são simplesmente sonhos RIDÍCULOS, eu não quero estragar a graça de sonhar em algo impossível, mas o escarcéu que é feito hoje por causa disso é estúpido. Sabe gostar de BTS ou Now United é bom, mas transformar isso em prioridade é estupidez, esses dias me deparei com uma menina dizendo as seguintes palavras: A escola se coloca como prioridade, nós temos outras coisas a fazer, eu por exemplo cuido de um fã clube de now united. Isso quebrou o meu coração, como alguém que tem a mesma condição que eu em todos os sentidos consegue ser assim? Ela não enxerga as reais preocupações que ela deveria ter, como o curso da faculdade que ela quer fazer?
A ideia egoísta também me irrita, muita gente da minha idade só quer falar sobre si, e isso me incomoda, cara os adolescentes de forma geral são só mais um número, estou sofrendo para fazer trabalho em grupo simplesmente pelo fato de que todos os participantes são acomodados e egoístas demais para se preocuparem com a nota do outro.
Obs: Eu ia escrever mais, porém eu não quero q fique grande, perdão os erros gramaticais, tô com sono :((. Eu não quero me achar o adulto, só tô falando o que me irrita.
submitted by Pulseiraa to desabafos [link] [comments]


2020.11.19 03:21 No_Monk_7246 Ajuda por favor( se a ajuda vir de alguém que já trabalhou com telemarketing é melhor).

Eu tenho uma história um pouco longa para falar sobre o meu antigo trabalho.
Em 2018 eu comecei a trabalhar em uma empresa de cobranças, o meu ambiente de trabalho era em uma mesa ''baia'' onde tinha um computador e fones de ouvido. Minha função era ligar para clientes cobrando dívidas deles e tentando uma negociação do valor. Eu chegava no escritório as 8 horas da manhã, cobrava esses clientes dos quais eu havia feito acordo da dívida e o resto do dia eu ficava em um ''discador'' ele discava as chamadas de forma automática e eu só tinha que falar com o cliente sobre a dívida e tentar negociar. Eu saia do trabalho as 18 horas da noite com uma hora e meia de almoço e trabalhava no sábado até meio dia, trabalhava mais que o aceito por lei na profissão. Eu ficava o dia todo no fone de ouvido e quando tocava o telefone eu atendia, ganhava comissão em cima dos meus acordos e nessa empresa tinham mais ou menos 15 meninas que trabalhavam fazendo a mesma coisa que eu. Entretando, o meu registro na carteira estava como ''auxiliar administrativo'' o que de fato não estava condizendo com a função que eu exercia no trabalho, neste mesmo trabalho era comum que eu mandasse email e whatsapp para os clientes, porém eu ficava o tempo todo no fone de ouvido realizando ligações o fone de ouvido era primordial whatsapp e email eram coisas que usavamos se não tivessemos contato com o cliente no telefone.
Pois bem, eu sai dessa empresa em 2020 e logo que eu sai eu fui atrás de um advogado para sanar minhas dúvidas a respeito da minha profissão, pesquisamos a fundo e confirmei com ele que eu era operadora de telemarketing ativa (que realiza ligações). O processo está em andamento e eu precisei de 3 testemunhas para confirmar o que eu estava falando, além de fotos do ambiente e videos, provas da comissão etc. Essas testemunhas eram minhas colegas de trabalho as quais eu mantive contato durante o tempo que trabalhei nesta empresa e como elas trabalharam lá nada mais justo que elas testemunhassem justamente por saberem o que eu fazia lá dentro e o que eu trabalhava se eu chamasse qualquer outra pessoa para testemunhar o que eu fazia la dentro, qual seria a lógica? Porque essas pessoas não estavam no ambiente para saber o que eu fazia. Enfim, essa empresa para deslegitimar o depoimento das minhas testemunhas alegaram que eu tinha amizade com elas inclusive anexando fotos de nós juntas da época em que eu trabalhava no local. Saiu a sentença e claro a juiza aceitou o que eles falaram porque era uma foto, eu entendo perfeitamente, agora tenho que recorrer e explicar que eram da época do trabalho.
Enfim, estou muito cansada , sabe? Porque além de tudo isso tiveram a cara de pau de alegar que eu estava mentindo que eu não usava fones de ouvido, sendo que tem fotos disso.
Alguém poderia me ajudar? Se vc já trabalhou da mesma forma que eu e tinha um registro diferente ou que correspondesse ao seu trabalho.
submitted by No_Monk_7246 to desabafos [link] [comments]


2020.11.19 01:20 prietoeu Eu virei oque eu sempre odiei

tl;dr
Eu me achava um cara feliz, 23 anos nas costas, trabalhava, me motivava e me cobrava mt a melhorar em tudo oque queria pra mim, academia e a 2 exatos anos eu comecei meu namoro. A menina era simplesmente perfeita para tudo que eu sempre quis mas eu sempre tive uma pulga atrás da orelha de não merecer ser feliz por traumas do meu primeiro relacionamento abusivo e de tudo que já me aconteceu nessa vida, além de achar o pq alguém como ela estaria com alguém como eu. Até que mais ou menos no meio do ano passado ocorreram algumas mudanças na empresa e eu não consegui me adaptar aos novos métodos do novo chefe (que era super desorganizado), aconteceu que do nada tudo foi por água a baixo, todo o respeito, influência e o personagem que eu tinha lá dentro escorreram em menos de 2 meses com erros tanto meus como do resto da equipe mas que caíram sobre mim. Isso me afetou muito, o cara que eu era, confiante e tal se perdeu e fiquei uma pessoa mt cabisbaixa e depressiva, reprovei na faculdade e tudo mais, só no aguardo de me demitirem. Então, uma fagulha de egocentrismo e imaturidade me deu na cabeça de que eu, aquela pessoa tão foda que eu conhecia, não podia ser a razão de tudo isso, que talvez era algo que tinha em mim que já me incomodava e acreditei ser o meu namoro. Isso foi sendo alimentado com meses passando e no começo desse ano, durante a quarentena eu acabei traindo minha namorada falando pelo whats com uma menina. Sabe aquilo do Zóio que todo mundo falou? Eu fiz a mesma coisa, tinha duas namoradas só que uma real e outra web A consciência bateu uma hora e tentei consertar, falei que queria terminar mas na hora h eu dei pra trás porque na minha cabeça "pq eu vou terminar algo que é tão bom, uma relação que realmente não tinha negativos" (acho que parece clichê o ex falando isso mas realmente, nunca brigamos, nós nós demos super bem desde o primeiro dia e desde que nos vimos a primeira vez teve amor, ela era oque eu reconheço hj como amor da minha vida) e me apliquei a ficar com ela por um tempo. Uma hr, como toda pessoa, a merda explodiu e ela soube, me ligou e fui um escroto. Ela deve ter sofrido mt
O resumo de tudo é que isso tem 6 meses já, já ouvi de tudo dos meus amigos, que é carência, que é querer atenção, que é querer replay mas eu não tiro ela da minha cabeça. Eu tentei seguir em frente, arranjar outras pessoas e em todas as vezes que cheguei a sair com qualquer menina, eu não conseguia beijar. Desde que eu a conheci eu NUNCA beijei outra menina, NUNCA MESMO. Eu me percebi que em diversos aspectos o cara que eu achava ser, aquela imagem do popular, líder do grupo de amigos e o cara legal que tinha, por trás eu só era um mlk depressivo e autodestrutivo. Eu tentei diversas vezes contato com ela de novo, com medo até de parecer um perturbado doente e fiz o clichezasso de implorar pra voltar. Mas pq ela voltaria? Eu fiz com ela exatamente oque minha ex fez comigo, oque meu pai fez com a minha mãe. Eu acho que aprendi com meu erro, percebi que ela era sim o amor da minha vida e deixei passar da pior forma possível Ela me odeia tanto quanto me odeio agora, isso me dói demais, hoje eu mandei um Oi pq realmente precisava de alguém pra desabafar, dizer pra ela que tô tentando como ela me disse pra fazer mas eu só estou fazendo pq sinto que deveria, não pq é oque quero. Ela não respondeu e postou no tt uma frase com raiva que era óbvio pra mim
A sociedade é rápida pra dizer que talarico tem que se foder mas dificilmente as pessoas se aprofundam na raiz do problema, eu fui errado e me arrependo todos os dias até perceber que não preciso mais Meu medo é me matar uma hora nesse peso e dizerem que "se matou por causa de mulher" sendo que na verdade foi um "se matou pq se arrependeu de cada decisão errada"
Podem julgar, eu entendo se vc teve o desprazer de ler essa minha história podre
submitted by prietoeu to desabafos [link] [comments]


2020.11.14 14:32 naoseexponha Estou gostando de uma amiga casada e não sei o que fazer

Fiz uma conta throwaway só pra tirar isso de dentro de mim. E a história é longa (no final das contas, um desabafo).
Sempre me considerei uma mulher hetero. Aí, comecei num emprego novo, e uma das pessoas do meu time era essa menina, que eventualmente virou minha amiga. Fiquei sem graça e falei coisas confusas quando conversei com ela a primeira vez, coisa de filme (lembro que repassei a conversa na minha cabeça mil vezes antes de abrir a boca, mas enfim). Atribuí isso ao nervosismo de emprego novo, sei lá.
Mas éramos uma dupla no time, e realmente criamos uma amizade muito legal, chamavam a gente de casal pelo tanto que a gente brincava/tretava, e eu achava isso engraçado, sei lá. Eu sabia que ela era bi, e casada com um cara, e isso pra mim era ok. Na época, eu era solteira (ainda sou), e usava o tinder em excesso, sempre compartilhava minhas aventuras, enquanto ela falava do passado porra-louca dela, e às vezes eu ficava pensando em como seria essa amiga pegando outras mulheres.
Até que aconteceu um evento (não quero dar muitos detalhes) em que, bêbadas e chapadas, ficamos. Aquilo me marcou muito, primeiro porque eu nunca tinha ficado com uma menina, e segundo porque era ela. E esse acontecimento ficou na minha cabeça por muito tempo. Chegou a quarentena, fomos demitidas e arrumamos empregos em lugares diferentes, mas continuamos o contato.
Esse tempo de isolamento social me fez colocar muitas coisas em perspectiva, principalmente o fato de que a vida é muito curta pra limitações, preconceitos, tabus, whatever. Eu não parava de pensar nela, e finalmente fiz as pazes com o fato de que sim, eu gosto dela. No entanto, como eu já disse, ela é "casada" (mora junto com o cara). Eu a visitei algum tempo atrás, e admiti isso pra ela, que foi super de boas, e falou que tava tudo bem. Mas pra mim não tá, porque eu queria vê-la, poder ficar com ela, até ter experiências que eu nunca tive (inclusive, no meio dessa quarentena, decidi que quero tentar ficar com mulheres, mesmo adorando uma boa rola – dá pra curtir os dois mundos, né). Só que isso não é possível, e eu tô chateada demais com isso.
Pra piorar as coisas, ela anda num período introspectivo (segundo ela), e falando pouco comigo. Hoje eu pretendia visitá-la, mas o pneu do meu carro furou duas vezes ontem (sim), e não consigo ir. Ela ficou meio brava, e agora não me responde mais. Isso me machucou muito, porque ela é praticamente a única amiga que eu tenho, e eu tava esperando esse rolê pra ter um momento de amizade mesmo, desabafar sobre merdas que eu fiz e tão doendo (que inclusive rendem outro post), e agora não sei o que eu faço. Estou muito triste.
Enfim, é isso.
TL;DR: descobri que provavelmente sou bi, mas foi gostando da pessoa errada, e isso tá me destruindo por dentro.
submitted by naoseexponha to desabafos [link] [comments]


2020.11.13 20:06 Dangerous-Pumpkin190 Eu fazia programa

Eu li algumas coisas sobre isso em outra rede social hoje e queria muito desabafar mas não podia fazer isso com a minha cara por conta do estigma.
Eu venho de uma familia bastante pobre e sempre fui muito inteligente, disso me venderam a ideia que se eu estudasse bastante, entrasse em uma boa faculdade ia conseguir fazer o que quisesse. Passei direto de uma escola pública da periferia para um curso extremamente concorrido na USP.
Nesse momento, eu acreditei de verdade que a minha vida ia melhorar mas a faculdade era muito difícil. Desde o primeiro semestre, tinham professores passando leituras complexas em inglês, eu sabia um pouco do inglês da escola e de ser curiosa na internet, custei conseguir acompanhar... quando estava mais confortável, começaram alguns textos em francês.
A assistência estudantil me ajudou sobreviver mas é extremamente difícil, a falta de conexões e as longas horas gastas no transporte público sempre me colocou abaixo dos meus colegas. Foi muito difícil arranjar um estágio, depois foi muito difícil me manter no estágio e faculdade e morar na ZL, mas o dinheiro não dava para pagar um quarto no centro.
Quando eu me formei, arranjei um emprego na área para ganhar uma quantia rídicula. Trabalhar até as 22h era norma, e alguns dias o trabalho se alongava nas madrugadas. Sem hora extra, levando muita bronca de uma patroa histérica. Eu tentava procurar outra coisa mas o setor estava em crise e esse tipo de abuso parece ser bem comum.
Eu tinha 23 anos estava exausta e desiludida com a vida. Via minhas amigas da escola pública que nem tinham estudado e sentia inveja delas, porque minha impressão é que estávamos no mesmo lugar: mau pagas e exploradas, mas que no meu caso eu tinha sido iludida por anos achando que dava para mudar. Elas pelo menos tinham continuado no nosso quadrado e mantido relações significativas. No meu bairro, todo mundo me achava meio metida e na faculdade/emprego eu era uma pobrinha brega tentando se encaixar.
Eu fui ficando muito deprimida, cheguei a considerar me matar porque achava que a vida não tinha muito sentido. Isso fez eu começar a relativizar tudo que eu pensava, até que eu cheguei ao ponto de achar que trabalho sexual era uma boa opção. Pesquisei bastante, entrei em contato com algumas meninas que trabalhavam com isso e acabei entrando numa agência de acompanhantes.
No começo, Eu me sentia muito mal de levar uma vida dupla. Eu tinha muita vergonha de fazer coisas cotidianas, me sentia suja andando entre as "pessoas normais" tipo para ir ver a familia ou mesmo ir ao mercado.
No trabalho em si, eu tive muita sorte. Um adendo importante aqui que eu sou uma mulher bem padrão, tinha condição de escolher essa posição e me informar o melhor possível; isso é muito longe da realidade da maioria das prostitutas.
Com o tempo, eu fui até aprendendo a criar afeição por alguns clientes e comecei a ter alguns clientes fixos. Conseguia pagar minhas contas, guardar dinheiro, comprar as coisas que eu queria – eu nunca quis luxo, mas queria poder ir no supermercado e comprar o que eu quisesse, sabe? Não precisar ficar fazendo conta de moedinha e deixando coisa no caixa.
O medo da minha familia/amigos descobrir persistia, e persiste até hoje mesmo eu tendo largado a vida. Isso era definitivamente a pior parte.
Como eu falava inglês (obrigado professores cuzões da USP), pegava muito cliente gringo viajando. Eram meus preferidos pq eles contratavam tipo a semana inteira, me levavam para passear e tals. Nessas, acabei conhecendo meu marido.
Ele veio ao Brasil para trabalho, me contratou por 10 dias. A gente se deu muito bem, ele acabou depois de uns meses pro Brasil meio que só para ficar comigo de novo, e acabou perguntando se eu tinha interesse de me casar e me mudar pro país dele.
Não foi nada romântico, ele foi bem pragmático sobre querer uma esposa que fosse mais "submissa" e que era difícil achar alguém do país dele que quisesse a mesma coisa, que ele não tinha muita paciência para romance e essas coisas. Ele já tinha, inclusive, tentado um acordo semelhante com uma garota ucraniana mas não deu muito certo porque ela queria muito luxo.
Foi um acordo, parecia arriscado mas eu sabia que a vida de GP tinha um prazo de validade e eu tava meio desiludida de tudo por aqui e aceitei. Não me orgulho, mas não me arrependo. Fingi para todo mundo que a gente se conheceu de uma maneira normal, ele conheceu minha familia (que adoram ele) e eu vim para cá.
Meu marido é muito bom para mim. Ele trabalha numa área correlata a minha de formação, ele me ajudou a arranjar um emprego e aqui o mercado é completamente diferente. Eu trabalho meio período e meu salário é todo meu, mas eu cuido da casa sozinha (o que seria normal no Brasil, mas aqui não é). A gente decidiu ter filhos só depois de eu ter a residência permanente para, caso a gente se separe, eu consiga ficar aqui sem problemas. Ele nunca jogou na minha cara o que eu fazia, me apresentou para família e amigos e me estimula a ter amigos e hobbies aqui.
Eu me sinto muito feliz, a minha vida é confortável e eu gosto de ter um relacionamento onde tudo é colocado de maneira clara.
O que me fez querer escrever isso é que sempre que eu vejo discussões sobre trabalho sexual as pessoas colocam um estigma gigante nisso como algo sujo e corrupto. Não nego que existe um lado feio para boa parte das meninas envolvidas, mas não é tudo assim e a gente devia quebrar esse discurso moralista e pronto exatamente para conquistar uma qualidade melhor de trabalho para todas.
Nessa discussão que eu li, eu vi meninas falando como todos os homens que recorrem a esse tipo de serviço são depravados e nojentos, e eu nunca tive nenhum cliente que me pedisse nada fora do convencional. Muitos eram só pessoas carentes e ocupadas. Eu passei por mais abuso (incluindo assédio sexual) num trabalho convencional de escritório e na Universidade do que como GP.
Não indicaria a carreira para ninguém, exceto como algo pontual, porque não é algo sustentável a longo prazo... mas para mim, foi algo muito bom e me ajudou a encaminhar minha vida para um lugar de paz.
Poucas pessoas sabem sobre isso e sobre a verdade do meu casamento, e mesmo tendo selecionado bem quem eu contei, já tive que ouvir muitas coisas moralistas e julgadoras. Inclusive por ter atendido muitos gringos e ter me casado com um, tem um certo estereótipo que eles curtem coisas sujas tipo escatalogia, e eu nunca passei por isso.
Outra coisa, quando eu me mudei para cá, o Estado te paga um curso da língua local e outro sobre cultura. Tinham outras brasileiras em situações similares, algumas assumidamente e outras que escondem ou talvez não eram "profissionais". E tem um pouco de tudo... tem gente feliz, gente com relacionamentos horríveis, gente que quer dar o golpe e conseguir residência, umas que sequer falam outra língua e não sei como se comunicam com o marido. Não quero que ninguém leia isso como uma chamada para fazerem o mesmo que eu, só queria tirar isso do meu coração hoje depois do tópico horrível que li em outro site.
submitted by Dangerous-Pumpkin190 to desabafos [link] [comments]


2020.11.11 03:19 Ofc_nathi Eu VS meu irmão mais velho

(Esse desabafo não é sobre rivalidade entre mim e meu irmão, e sim sobre a forma que minha mãe e meu padrasto nos trata diferente.)
Eu sempre fui super próxima à meu irmão... Sempre me baseei nele, sigo seus conselhos e etc. Meu irmão sempre manteve sua vida amorosa, suas peguetes e ficantes em segredo. Com excessão de mim, ele não contava sobre esse tipos de coisa P ninguém... Ao contrário de mim, que sempre conversei com a minha mãe, sempre contei sobre minhas paixonites, os meninos e meninas que eu ficava ou até msm, queria ficar. Meu irmão começou a ficar com uma menina que minha família não conhecia, e dps de alguns meses, ele foi sair c a mina, e eu e minha família fomos juntos (sem saber q ele ia encontrar a menina)... E foi assim q conhecemos a namorada dele. Comigo, desde sempre, minha mãe dizia que se eu fosse me envolver com alguém, essa pessoa tinha que ir em casa, conhecer a minha família é pedir permissão. Dps de 1 mês de namoro do meu irmão, eu comecei a praticar meus esportes e meus amigos me levavam em casa, toda noite. Minha mãe conheceu um amigo meu e me shippava com ele. Eu nunca havia pensado na possibilidade de ficar com ele, mas como minha mãe ficava matutando em cima de mim, eu comecei a olhar o menino c outros olhos, e dps de 1 mês conversando c o menino, eu chamei ele P sair (c a permissão da minha mãe) e ficamos (eu falei P minha mãe e P meu padrasto). Dps de 2 semanas ficando, oficializamos o namoro.
Com 1 ano de namoro, minha mãe nunca deu pitaco no relacionamento do meu irmão. Com 2 semanas namorando, minha mãe sempre se meteu no meu namoro, e dizia tudo q eu tinha q Flr P meu namorado. (Terminei c ele dps de 3 meses de namoro)
Isso foi em 2018...
Depois disso, minha mãe começou a ficar paranóica sempre q eu falo de alguém q eu fico.
À mais ou menos 1 mês atrás, eu fiquei com um cara em uma festa de família paterna, e contei P minha mãe. Até então, eu não pensava na possibilidade de ficar c esse cara Dnv, mas acabou rolando e EU CONTEI P MINHA MÃE. (Ela sempre me disse que eu tinha que contar as coisas P ela, pq ela nos contava as coisas dela. E se eu não contasse e ela descobrisse, ela ia ficar brava e chateada)
Eu continuo ficando c esse cara, sem esconder da minha família e da minha mãe. Porém, pra minha família paterna, tudo que eu faço, é por causa desse cara; mas eu sempre deixei claro PRA TODO MUNDO QUE EU CONHEÇO, QUE MINHA VIDA NÃO É MOVIDA A MACHO, OU À QUALQUER TIPO DE RELAÇÃO AMOROSA, pois eu sempre fiz as coisas pela minha cabeça. Falei pra minha mãe que minha tia havia me chamado pra dormir na casa dela, que por acaso, é perto de onde o cara q eu fico, mora. E ele vem todos os dias tomar café com a minha avó, que é na msm rua da casa da minha tia... Eu também venho passar o fim de tarde com a minha avó, pois antes, quando eu não vinha, todos os meus tios e tias, e minha avó me crucificavam. Minha mãe, de cara, me perguntou se eu ia vir por causa do mlk, e eu, puta da vida, disse q não... (eu não menti) e disse pra minha mãe que se eu viesse só por causa do Mlk, não tinha o porquê de eu esconder isso.
Vim pra casa da minha tia, falo com minha mãe e meu pai, todos os dias... E minha mãe me pergunta se eu falei com o menino, e eu digo q não fico falando por ele por telefone, até porque ele trabalha (e eu não tenho paciência P ficar conversando por telefone).
Hoje, eu na casa da minha avó, minha mãe me mandou msg, dizendo q queria conversar comigo, dizendo q meu padrasto disse q tem certeza que eu só vim pra cá por causa do mlk... Disse q eu nunca gostei de vir pra cá, etc. Eu disse que Sempre que eu tenho oportunidade, eu venho ficar com a minha tia, mas parece q ninguém, além do meu irmão, lembra disso. Eu fiquei totalmente magoada pelo q o meu padrasto falou e minha mãe concordou...
Se fosse o meu irmão, ninguém ia associar a ficante dele, com a visita à família; Por que q comigo tem que ter essa palhaçada? Por que eu sou mulher? Sempre argumentei contra o machismo e tenho que conviver com isso dentro de casa?
Eu havia dito pra minha mãe que o cara tinha me chamado pra sair, e ela disse q se eu saísse com ele, ela ia ir junto. Pra quê? Por que, com meu irmão nunca teve esse palhaçada, e comigo que sempre me abri, tem que ter? Eu tô exagerando em me sentir mal?
submitted by Ofc_nathi to desabafos [link] [comments]


2020.11.10 04:44 arremessar_ausente De novo sobre o caso da tal da Mariana Ferrer

A confusao do estupro culposo ja foi esclarecida (ou pelo menos deveria ter sido) para todos.
Porém ainda teve aquele episódio da audiência que o intercept divulgou do advogado esculachando a menina. Assim como todo mundo, também fiquei revoltado com a falta de profissionalismo do advogado. Mas o video publicado pelo intercept tem varios cortes, isso é evidente, nao tentaram nem disfarçar isso.
Pois é, o Estadão lançou a alguns dias atras o vídeo na integra da audiência, só parei pra assistir agora. O video tem 3 horas de duração, mas a Mariana participa apenas dos primeiros 45 minutos, entao pra quem quiser assistir e tirar suas próprias conclusões nao se sintam tao intimidados.
Vou falar de cara aqui que o comportamento do advogado foi horrivel independente do video do intercept ter sido cortado ou não, o único ponto aqui é o quanto eles se esforçaram para empurrar uma narrativa e ignoraram todo o resto do vídeo.
O video começa e demora um pouco pra iniciar a audiencia porque a Mariana tinha uma pessoa presente na sala com ela e o juiz teve que explicar pra ela umas 10 vezes que ela nao poderia ter ninguem presente com ela na audiência a não ser que ela optasse por revogar a defensoria pública.
Já nesse começo a Mariana já demonstra alguns comportamentos agressivos para os integrantes da audiência. Não agressivo verbalmente mas da pra perceber o tom de deboche em algumas coisas que ela fala, ela claramente demonstra uma implicância com eles. Vale ressaltar que essa não foi a primeira audiência dela. Ela já participou de outras audiências com as mesmas pessoas, audiências essas que nós não sabemos o que aconteceu
A audiência começa e o advogado já começa questionando sobre as fotos. Ele mostra na tela uma foto do rosto dela com o dedo na boca, uma foto comum que você poderia ver no Instagram de qualquer pessoa. Já deixo claro que essa questão das fotos nem deveria ter existido pra começo de conversa, não sei de onde esse advogado tirou que essas fotos seriam um bom argumento, mas enfim.
O advogado questiona a Mariana perguntando se aquela foto editada. Ela da uma enrolada e do nada ela mesmo mostra uma foto dela no celular dela de biquíni. Estou falando isso porque pelo corte do intercept só aparece o advogado falando e mostra ela chorando, e da a impressão de que o advogando tava expondo fotos dela semi nuas contra sua vontade, envergonhando-a, quando na verdade ela mesma é a primeira a expôr uma foto sua mais sensual para a audiência.
A audiência segue e o advogado começa a fazer perguntas objetivas pra elas, que poderiam ser respondidas com um "sim ou não" e ela desvia de praticamente todas as perguntas, mesmo com o juiz pedindo inúmeras vezes pra ela ser objetiva.
O advogado entao continua questionando-a tomando como base o próprio depoimento da Mariana, e ela demonstra algumas incoerencias com o próprio depoimento dela. Em certo momento ela fala sobre pessoas que poderiam ter sido testemunhas mas em nenhum momento disse isso em seu depoimento.
E audiência segue assim que o final, com perguntar objetivas e respostas desviadas ou nenhuma resposta.
O video com corte do intercept coloca aquela parte mais pesada da audiencia que o advogado começa a humilhar ela, sendo que segundos depois o juiz interrompe e ameaça suspender a audiência caso o advogado continue com aquele comportamento. Mas como isso é cortado, da a impressão que ela foi humilhada e que ninguém se importou com ela, que o sistema opressor maltratou ela.
Em alguns momentos ela da audiência ela chora por coisas que ela mesmo fala, mas pelo corte deu a entender que foi por causa do que o advogado tinha falado.
Enfim, tem outras partes menos importantes que eu poderia comentar, mas o assunto é outro.
Mais uma vez, eu não estou defendendo as atitudes do advogado, foi um péssimo comportamento. Mas é inegável o quanto o intercept forçou a narrativa que lhe convém, não tá nem disfarçado. Aconselho vocês que assistam e tirem suas próprias conclusões. Quem ainda tá em dúvida se ela foi estuprada ou não vai poder esclarecer muita coisa.
submitted by arremessar_ausente to brasilivre [link] [comments]


2020.11.09 04:48 repdominato Tenho tido brigas constantes com uma das pessoas mais importantes da minha vida e agora me sinto perdida.

Olá todo mundo que está lendo esse meu desabafo, fico feliz por vocês terem clicado aqui parar ler o meu drama, então:
Tudo começou no começo de 2020, quando eu conheci um garoto por uma live que eu assistia, até aí tudo bem, viramos muito amigos e uns meses depois eu comecei a gostar dele, não contei por puro medo de levar um webfora, daí uns dias depois ele me diz que está namorando com uma menina (que logo se descobriria trans, não é uma informação tão necessária mas enfim), conheci ela e viramos amigas, eu achava ela super legal, mas eu ainda gostava do meu amigo. uns meses depois eles terminaram, ele me contou e eu fiquei bem triste, dei todo o apoio a ele e sempre tentava ajudar ele a superar o término, até que um dia nós dois estávamos conversando e eu acabei contando que gostava dele a um tempo, ele ficou em choque e perguntou a quanto tempo eu gostava dele, respondi que desde o começo do ano, ou seja, antes dele começar a namorar a menina lá, ele disse que achava que era difícil pra mim viver com eles dois namorando mesmo com eu gostando dele (não, foi super fácil amigo, foi super fácil), ele não falou nada sobre os seus sentimentos em relação a mim, também não perguntei para não incomodar, mas, uma semana depois ele me pediu em namoro, e ainda pediu pra que eu pensasse bem e desse a resposta em uma semana. eu pensei em falar sim na hora, mas como ele pediu, eu pensei mais e uma semana depois eu aceitei, foi tudo muito bom, foi tudo muito lindo, eu amava ele, parecia que estava vivendo um sonho, foi o melhor relacionamento que eu já tive até hoje, até que eu terminei com ele uns meses depois pois eu estava com medo de que acontecesse o mesmo que aconteceu no meu antigo relacionamento (meu relacionamento antes desse cara foi simplismemte um inferno, o cara era um possessivo ciumento nojento que não podia ver eu falando com alguém que já ia tirar satisfação comigo ou com a pessoa na qual eu estava conversando, era horrível e ele fazia eu me sentir um lixo), ele aceitou deboa, mas, um dia euu vou falar com ele sobre um problema e vejo o contato dele sem a foto, mandei mensagem e só foi um negócinho como se ele estivesse sem internet ou o celular estivesse desligado, fui tentar falar com ele no twitter e apareceu a mensagem de que eu estava impossibilitada de seguir ele, foi no discord e não vi o perfil dele lá, o cara simplismemte me bloqueou em TODAS as minhas redes sociais, depois disso a minha vida virou um inferno e tudo ficou insuportável: minha insônia piorou, eu chorava TODOS os dias, não conseguia dormir preocupada com oq tinha acontecido, tinha crises de ansiedade por causa disso, como eu disse, um inferno. um mês depois ele me desbloqueia e me manda mensagem pedindo desculpa, dizendo que era pra me esquecer, eu aceitei as desculpas pq eu sou burra e pq eu amava ele (na verdade, ainda amo ele depois de tudo isso, sou burra sim ou claro??) nós continuamos amigos depois disso, mas eu não me sentia tão bem falando com ele, me sentia mal e esquisita, depois disso nós passamos a ter brigas constantes por motivos extremamente bobos e fúteis, e eu chorava em TODAS as vezes em que nós brigávamos pq me sentia culpada, eu sinto que estou perdendo ele, eu amo muito ele e ele é extremamente especial pra mim, eu não quero perder alguém tão especial assim, eu PRECISO de ajuda em relação a isso e esse subreddit foi a única forma de pedir ajuda que eu encontrei. por favor me ajudem, eu me sinto extremamente perdida em relação a isso e não sei mais o que fazer.
submitted by repdominato to desabafos [link] [comments]


2020.11.09 04:30 spiritofmnemoth Me apaixonei pela minha melhor amiga, e a dor é quase insuportável.

Nós somos amigos desde que começamos a faculdade, há quase três anos. Nos aproximamos por ambos terem estado um pouco deslocados do resto da turma no começo do curso, não entramos em uma turma logo de cara, na semana de acolhimento, como todo mundo, e fomos ficando cada vez mais próximos, sentando juntos, fazendo trabalhos, andando de ônibus pra casa, tudo. Nós formamos a nossa própria turminha dos excluídos, eu, ela e mais um menino e uma menina, todos nós somos muito amigos. Mas a minha amizade com ela é MUITO forte, nós nos apoiamos nos momentos difíceis, e conversamos sobre absolutamente tudo. Na primeira vez que eu fiquei com um menino, a primeira pessoa pra quem eu contei foi ela. Quando eu briguei feio com meu pai e tive que sair de casa, foi no colo dela que eu chorei feito um bebê a noite inteira. No ano passado, quando ela teve que fazer uma cirurgia por conta de um problema nos ovários, quem estava lá por ela era eu e a mãe dela. Ela é uma das pessoas mais incríveis que eu conheço, a amizade dela é talvez a melhor coisa da minha vida. Eu sinto que o meu sentimento por ela foi crescendo devagarinho, só agora dando pra eu perceber que o amor que eu sinto não é apenas fraterno. Eu não acredito nessa divisão entre "gostar como amigo" e "gostar", porque não a sinto com relação a ela, eu a amo de todas as maneiras possíveis e imagináveis.
Sexualmente, nós somos muito diferentes. Eu sou bissexual, e tenho sérios problemas de autoimagem e autoestima, que me levam à promiscuidade e a comportamentos autodestrutivos. É verdade, eu já fiz sexo com várias pessoas, mas não me sinto nem um pouco completo por isso, foram vários relacionamentos curtos, problemáticos e vazios, que não contribuíram em nada pra minha vida. Já ela é assexual, nunca esteve num relacionamento, é virgem, diz que nunca sequer beijou alguém. O meu coração quase sai pela boca sempre que eu a vejo, e fica acelerado quando eu estou perto dela, até mesmo ela já reparou nisso. Dói demais ter a certeza de que ela não me enxerga da mesma maneira que eu a enxergo. Eu nunca vou me abrir com ela sobre isso, porque não quero perder sua amizade de jeito nenhum, ela vale a pena, eu não sou próximo a ela apenas por ter "segundas intenções", e estou disposto a engolir os meus sentimentos se isso significa que eu posso ter sua amizade. Só escrevi isso pra que não ficasse só dentro da minha cabeça, obrigado a quem tomou o tempo de ler. Boa noite a todos.
submitted by spiritofmnemoth to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 19:32 ainteatingacentipede Minha escola cagava pra pedofilia.

Eu estudava numa escola estadual desde os onze. Nos quatro anos que eu estive lá eu presenciei pelo menos cinco histórias de pedofilia por parte dos professores. Com 13 anos eu comecei a enxergar o que acontecia lá depois que um professor de educação física começou a querer ficar mais "próximo" das meninas da sala. Ele fazia carinho, dava olhares, soltava piadinhas de mau-gosto e um dia ele começou a falar sobre PEITOS E BUNDAS. Eu conversei com a minha mãe sobre isso, ela ligou na escola e se passaram duas semanas sem ninguém fazer porra nenhuma. Certo dia ele resolveu "zoar" as meninas da sala de marmita. Eu contei pra minha mãe na saída e ela entrou direto na escola pra conversar com o professor. Ele desrespeitou até ela. No fim o vice-diretor ficou putasso com ele e depois disso ele nunca nem olhou mais pra nenhuma menina. Na mesma época, um professor fez uma piada de mau gosto com uma menina que estava com um pirulito na boca e deu um TAPA NA BUNDA DELA. E o que eles fizeram? Disseram que da próxima vez ele seria demitido. Da próxima vez... Da próxima vez que uma aluna ser humilhada na sala, talvez a resposta merda de vocês seja o motivo pelo qual ela não conte. No nono ano eu tinha um professor de matemática que era simplesmente o maior estrume q já passou por aquela escola. Ele diminuía os alunos falando que eles só serviam pra aparecer em capa de jornal, quando tinham alguma dúvida ele debochava, e até mandava gente que tava quieta calar a boca (literalmente isso aconteceu). Ele desrespeitava quase todo mundo na sala, menos meu grupo de amigas, alguns alunos que tiravam nota boa, e algumas outras meninas. Eu e as minhas amigas questionávamos a grosseria dele com os outros alunos, e até discutíamos com ele quando era preciso, mas nós éramos sempre as princesas, como ele gostava de chamar, e mesmo que a gente não tirasse nota boa a gente sempre terminava com uma média mais alta que o esperado. Um dia a gente estava conversando com uma menina sobre como esse professor era um pau no cu, e ela disse que ele dava aula pra ela no sexto ano, e que ele tinha uma "princesa" na sala dela também. No caso ele fazia massagem nas costas de uma menina de onze anos de idade que tinha muito medo de falar pra qualquer adulto porque a escola não acreditava nos alunos, e as outras pessoas da sala também sabiam que não ia adiantar. Na última aula do ano, os professores deixaram a sala livre pra fazer piquenique na quadra. A gente pegou uma daquelas mesas grandes da cantina e quatro bancos da cantina também. Fizemos piquenique com a professora de história nas duas primeiras aulas. A terceira era dele. Ele sentou no meio de duas amigas minhas. Eu lembro que enquanto a gente conversava ele nos olhava de um jeito que me dá vontade de vomitar. Ele tentava em todos os momentos encostar na coxa de uma amiga minha que ia pro lado toda vez, até que ela se cansou e foi sentar em outro lugar. Isso foi uma grande coisa pra gente. A gente tinha se esquecido da história da menina de onze anos e deu graças a Deus que era o último dia que a gente ia ter que aguentar a cara de pai da família dinossauro que aquele bosta tinha, e as vezes que ele aparecia com o zíper aberto na sala. Semana passada eu comecei a lembrar de tudo isso, e lembrei de muita coisa que aconteceu na escola desde o sexto ano que eu não tinha parado pra pensar antes. Esse mesmo professor de matemática um dia viu a gente fazendo uns estojinhos de bichinho que a minha amiga tinha dançar, viu a gente fazendo isso, e disse: "Haha, olha a imaturidade dessas três! Olha o que elas tão fazendo!" e colocou um bichinho encima do outro. Ele sabia que a gente não tava fazendo isso. No sétimo ano um professor substituto que já tinha uns 70 anos começou a falar que todo mundo na sala eram brotos e começou a fazer piadas sexuais. Um professor de história sempre fazia questão de deixar claro quando ele aparecia sem a aliança dele na aula, e já fez piadinha com um modelo do sistema digestivo, no caso ele disse que ia tirar uma foto e guardar pra mais tarde. Tantos professores já fizeram piada com as meninas da minha sala que gostavam de funk... Isso que a minha antiga escola era a que tinha melhor estrutura daquela região da cidade. Fora as coisas que aconteceram fora da escola. Todo dia um velho ficava na porta da escola literalmente só pra observar a gente. Eu achava que ele ia buscar alguém, mas um dia a minha amiga foi seguida por ele, graças a Deus ela chegou em casa antes que ele fizesse algo. Uma vez eu e minha amiga fomos perseguidas por um carro preto fora da escola e tivemos que correr pra casa. Quando ela tinha oito anos ofereceram dinheiro pra ela. Isso tudo eu presenciei, ouvi, e quando não foi comigo eu senti como se fosse. E o que a minha escola fez por essas meninas? Quantos professores assim foram afastados? Quantas não tiveram coragem de contar? Não só pelo fato de nós sermos mulheres, pelo fato de sermos novas, é difícil que um diretor ou qualquer autoridade de vários lugares acredite, ou simplesmente ligue pra gente. Esse bagulho é gigantesco, acontece em tanto lugar, e do mesmo jeito parece que tudo passa batido.
submitted by ainteatingacentipede to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 11:03 Sarvioor Meu pai não apoia meu namoro

Eu comecei a conversar com uma menina no final de agosto, a gente se deu muito bem, a gente conversava de tudo, com a intimidade subindo a cada dia, até que a gente começou a trocar nuds. Eu tava feliz por conhecer uma pessoa legal e que me entendesse. Meu pai ele tem uma mania ou algo do tipo que quando ele ta puto ele desconta a raiva nos outros, na maioria das vezes é eu ou meu irmão, então ele ficou puto por alguma coisa e veio falando que eu não saio do quarto, só vivo no celular (eu não tinha nem falado com ele esse dia, e eu sou o tipo de filho que se falar pra eu fazer alguma coisa na calma eu faço de boa, sem reclamar, só fico puto quando vem gritar no meu ouvido por nada). A gente começou a brigar e ele pegou meu celular, foi ver minhas conversas no WhatsApp, oq eu acho uma completa falta de respeito e que não confia em mim, eu não faço nada de errado e só fico na minha, ele acha que eu fumo ou coisa do tipo, se vc me olhar agr a primeira coisa que vai vir é um otaku nerd mano. Ele pegou meu celular começou a ver minhas conversas até que ele encontrou o contato da garota, ele começou a ler as conversas até que viu o nude dela, ele me devolveu o celular completamente sem reação. Dps de uma semana eu fui me encontrar com ela pela primeira vez, eu tava feliz e nervoso, numca tinha feito algo assim, a gente deu muito certo, não paravamos de rir e de conversar, o nosso beijo foi muito bom (ela me falou das únicas vezes que ficou alguém, nenhum deles a tratou como eu tratei ela, ela diz que nunca se sentiu um "objeto" cmg, e que quando ela ta mal eu faço ela ficar melhor fazendo piadas e essas coisas. Como eu disse a melhor garota pra mimkkkkkk). A gente começou a se encontra mais até que mês passado eu pedi ela em namoro, eu nunca fiquei tão feliz, até a hora que eu falei pro meu pai que eu pedi ela em namoro (meu pai é daqueles velhos que acham que a mulher tem que ficar na casa cuidando dos filhos e essas coisas, machista do século passado crente sabe), falei pra ele e ele não falou nada, fiquei de boa neh fazer oq, até que eu sai com ela um dia e meu pai surtou, me ligou perguntando aonde eu tava, oq eu tava fazendo, falei que eu tava com a minha namorada em uma praça, ele falou que era mentira e que eu não tava fazendo isso, falou pra eu voltar pra casa (minha namorada ouvindo tudo), ele desligou me dando 30 minutos fora de casa, foram os 30 minutos mais sufocantes da minha vida, eu ver a pessoa que eu amo chorando horrores com medo de me perder, falando que tem medo de não poder me ver mais, eu quase chorei, mas tentei acalmar ela falando que tava tudo bem, que era draminha do meu pai. Eu voltei pra casa E O MERDA DO MEU PAI ME RECEBEU COM A PORRA DE UM SORRISO NA CARA, eu fiquei muito puto, mas fiquei quieto, fui me trancar no quarto como de costume até que ele me chama perguntando se os pais dela não se preocupam com ela, falei que eu tinha "trocado" de praça pq a que eu tava antes tava cheia de noia e ela tava com medo, meu pai não falou mais nada e eu comecei a falar um monte do quanto ele não confia em mim, que ele acha que eu sou uma vagabundo (oq é verdadekkkkkk), ele ficou calado. Eu sai com ela dnv só que meu pai não estava me casa ele tinha ido trabalhar, é tão bom sair e não se sentir sufocado ou sla, voltar no horário que vc falou que ia voltar e tudo mais, minha mãe é de boa com ela, até me zoa com umas coisas de namorados, meu pai deu uma acalmada, eu não falo muito com ele mais, ele me zoa tbm mas eu acho que é pra desfaça ou algo do tipo. Talvez vc não tenha entendido nada pq minha escrita é uma merda mas ta ai, vou fazer outro poust falando sobre umas coisas que assombram o passado da minha namorada que me assombra tbm.
submitted by Sarvioor to desabafos [link] [comments]


2020.11.08 06:49 sad__cloud Uma vida amorosa e sexual bem triste. E um rapaz que me dá atenção.

*ATUALIZADO
*conta descartável
**Texto longo porém separado por parágrafos e bem escrito <3
***Talvez eu devesse postar isso no DeadBedrooms mas não me sinto com emocional para traduzir tudo para o inglês.
****Edits: concordância, erros gramaticais
*****Tudo que foi feito fora de casa foi com máscara e muito álcool em gel!
Namoro faz quatro anos. Cursamos o mesmo curso, mesma faculdade, mesma turma, mesmos colegas de sala. Ele é três anos mais novo que eu (tenho 25).
Meu namorado tem muitos defeitos. Muitos mesmo. Mas muitas qualidades também, que eu admiro e simplesmente amo. Colocando na balança, essas qualidades pareciam compensar os defeitos e decidi tolerá-los. Mas sabe quando esses defeitos aparecem com tamanha frequência e com tamanha intensidade que as qualidades simplesmente desaparecem? Então.
Moramos juntos, um cantinho alugado. Ele pediu demissão do estágio por odiar o serviço (e agora decidiu que odeia o curso também) e como recebe mesada dos pais, fica tranquilo. Eu ralo no estágio e pra dar aquela complementada na renda, comecei a vender bolos no meu bairro.
Meu namorado sempre reclamou do curso. A ponto de chorar de desespero de madrugada. Como fazemos trabalhos juntos, sempre tenho que dividir meu tempo entre fazer de fato o trabalho e consolá-lo (e nesse momento ele para a produção dele totalmente e no final eu sempre termino o meu para ajudá-lo). É o tipo de situação que nenhum conselho está bom. Nada que eu diga ajuda. Ele já me acusou de dar mais atenção aos trabalhos do que para ele. Esse ano, após uma briga colossal, ele resolveu procurar ajuda psicológica.
Sobre sexo, ele não existe mais, atualmente. E quando existe é com uma qualidade tão ruim (pra mim)... Como tirei a virgindade dele, achei que com o tempo e com a minha ajuda, ele melhoraria. Nunca melhorou. E se comento sobre algo que não me deixa feliz, ele diz que faz de tudo para me agradar e não sabe mais o que fazer pq eu sou muito difícil e fica bastante nervoso. Então desanimei de comentar qualquer coisa. Finjo que atingi o orgasmo só para ele gozar logo e terminar tudo. Quando eu o procuro na intenção de eu iniciar o ato e aí quem sabe controlar um pouco mais a situação ao meu favor, ele faz birra. Não vai continuar se eu não fizer tudo.
Faz uns seis meses que notei que ele estava me procurando bem menos e tentei criar uma situação para transarmos. Calhou de ele me falar que não sentia vontade de transar por estar se masturbando demais. Conversei sobre como uma vida sexual é importante para um casal e que seria bacana ele diminuir a frequência que ele assiste pornô (e ele assiste com muita frequência).
Eis que ele abre o celular e mostra que ele tá usando algumas fotos de usuárias do Reddit como material para masturbação. Nem cheguei a ver de que sub era pq meus olhos encheram de lágrimas muito rápido. Dei uma desculpa qualquer e fui chorar no banheiro, coisa que eu não faço desde a sexta série. Eu não sei dizer exatamente a diferença entre o pornô e uma foto, mas eu me senti humilhada como poucas vezes na minha vida.
Tenho uma amiga muito querida que, lá por março, de aniversário, me deu um vestido que eu queria muito (e que era bem caro. Meu namorado me deu uma noite frustrante de sexo). É um vestido azul que faz eu me sentir uma princesa. Como em agosto foi aniversário dela, fiz um bolo surpresa e fui entregar para ela a pé. Ela mora em um conjunto de prédios a quinze minutos (a pé) do meu cantinho. Lá fui eu, meu vestido azul e a cesta que eu uso para levar os bolos por aí. Ela tirou uma foto minha e divulgou no grupo do prédio. Viralizei!
Eu nunca vi TANTA encomenda e TANTO dinheiro aparecendo na minha frente. Chamei meu namorado para me ajudar a dar conta de tudo, prometi ensinar ele a fazer com a maior paciência.
Ele negou. E reclamou que meu cabelo andava muito feio. Meu cabelo é cacheado e eu o pinto de ruivo, então ele anda realmente um pouco judiado. Pra variar, me senti muito triste. Jurei que daria conta de todas as encomendas e com o dinheiro que sobrasse eu daria um trato no cabelo.
Dei conta? Dei. Virei noites? Sim. Gastei 1/8 do que ganhei comprando produtos de cabelo. Essas coisas são caras mas fiz minhas contas e considerei que seria uma compra prudente e que não nos afetaria economicamente no futuro. Em duas semanas eu estava amando o resultado. Me sentia mais bonita e preparei um jantar e comprei um vinho, decidida a mudar a nossa vida sexual.
Meu namorado comeu tudo correndo pois tinha um RPG marcado com não sei quem. A garrafa de vinho nem deu tempo de abrir.
Sabe o seu valor? Naquela hora eu sentia que tava valendo menos que a poeira do tapete da sala. Valendo menos que as meninas desconhecidas do Reddit.
Mas as encomendas de bolo no prédio da minha amiga continuavam. E como fiquei famosa com o vestido azul, fiz dele meu uniforme já que ia uma vez por semana lá entregar e todo mundo passou a me reconhecer com ele.
Um dia recebi um pedido de bolo de cenoura com chocolate de um apartamento Y que nunca tinha ido. Fiz tudo, como de praxe e no dia da entrega, quem me atendeu foi um rapaz com um sorriso tão imenso que eu cheguei a ficar sem graça. Quem encomendou de fato foi a avó dele, e da porta mesmo ele chamou dizendo "Vó, a moça gracinha veio trazer o seu bolo!"
Eu não sei dizer a quanto tempo não recebo um elogio. Mas o gracinha foi o suficiente pra eu me atrapalhar toda na hora de entregar o bolo. Quase saí correndo de nervoso. Atendi a vizinha do andar de cima e ela tinha perguntado se eu havia entregado no apartamento Y, pois a senhora que morava ali era amiga dela. Respondi que quem atendeu foi o neto e ela rasgou elogios, que ele era um doce de pessoa e que havia ajudado ela a instalar algumas lâmpadas na semana passada.
De setembro para cá eu entreguei bolo todas as semanas no apartamento Y. E o tal do neto, que é meses mais velho que eu, sempre estava lá para me receber. Já me convidaram para tomar um cafézinho (aceitei) e para o almoço (recusei). Semana passada, fui convidada novamente para o almoço, dessa vez pelo neto. Em um horário que a avó dele não estava em casa (não faço ideia de onde ela poderia estar nessa pandemia). Confesso que recusei para não cair em tentação.
Ontem tentei novamente uma surpresa para quem sabe transar com o meu namorado. Não deu certo. E dessa vez o porque foi que eu estou sempre ocupada e nunca dou atenção para ele. Discutimos e eu chorei, nunca me senti tão sozinha mesmo estando em uma relação. Fui dormir e ele foi jogar.
Hoje fiz mais uma entrega no apartamento Y. O neto estava fazendo faxina na casa, mas me recebeu. Quando pedi para ele segurar a cesta para que eu retirasse o bolo, ele se aproximou e colocou o nariz no meu cabelo, dizendo baixinho que eu era muito cheirosa. Eu agradeci e ele sugeriu de irmos tomar um café (em um café de fato), assim que acabasse a pandemia e que ele conhecia um ótimo lugar. Eu não aceitei e nem neguei (famoso "vamos ver hahaha"), mas voltei para casa muito abalada.
A verdade é que não vejo mais futuro para o meu relacionamento e estou exausta de me sentir sozinha dentro de um. Cansada de ser a única a tentar. Se eu tivesse uma relação sexual com o meu namorado eu não sei nem como reagiria, pois essa chateação toda me fez perder toda e qualquer atração que já tive por ele. As vezes acho que tento para no final de tudo pensar "pelo menos eu tentei".
Meu namorado foi rejeitado anteriormente por uma garota que ele amava e isso o deixou um ano de cama. Meus sogros me tratam muito bem e quase me endeusam, e as vezes acho que é por isso que ainda não tomei uma atitude. Gosto muito dos meus sogros, não quero chateá-los. Tenho medo que meu namorado fique de cama por minha causa também. Estamos tão próximos de concluir o curso que não quero me sentir responsável se ele jogar tudo para o alto caso eu termine. Não quero, caso o curso volte presencialmente, ter que encontrá-lo todo dia e ainda bagunçar nosso círculo de amizades em comum.
Por outro lado, eu me sinto tão ansiosa, tão pedinte por contato. Queria um abraço. Um beijo. Um carinho que faz arrepio. Uma noite de sexo. O cara do apartamento Y parece um sonho e pelo que sondei do condomínio, ele é tranquilo, faz as tarefas domésticas pela avó, concluiu o curso, trabalha (agora em home office) e já comentaram que ele é caidinho por mim. Sempre que faço uma entrega e ele está sozinho é um deus-me-acuda, quase um teste de fidelidade. Cada mensagem no whats pedindo uma encomenda ou perguntando que horas farei a entrega faz o meu coração bater rápido.
Me sinto errada por querer outro cara, de querer tentar uma possibilidade que pode dar muito certo. Sei que possivelmente a carência tá me fazendo fantasiar muito a situação toda, mas não consigo evitar. Não quero trair meu namorado mas não sei por quanto tempo mais aguento esse deserto de relacionamento.
Conselhos?
ATUALIZAÇÃO: Sentei essa noite e coloquei as cartas na mesa. Falei sobre como eu me sentia só, sobre ele sempre me trocar por qualquer coisa (pornografia, jogos, amigos) e que eu não vejo outra solução a não ser encerrar nossa relação.
Ele ficou mais chocado do que eu achei que ficaria e disse que nosso relacionamento não parecia ter nada de errado. Pontuei vários casos (os citados aqui no texto e outros) e ele ficou na defensiva, negando tudo ou dizendo que "não era isso". Perdi a cabeça e comecei a falar que qualquer cara que me olha na rua me dá mais atenção em um olhar do que o que ele anda me dando dentro do relacionamento.
Ele abaixou a cabeça e ficou quieto e sei que é nessas horas que eu fraquejo e volto atrás em tudo que disse. Ele me perguntou se ele nunca me fez feliz e eu disse que não era o caso. Ele prometeu mudar, mas quando nos reconciliamos várias vezes de várias outras discussões ele sempre me prometia a mesma coisa, então eu disse que não conseguia mais acreditar e nem ter mais vontade de tentar.
Ele pegou algumas coisas e chamou um Uber. Por mensagem só disse que ia para os pais dele e que não me responderia por um tempo. Ok, entendo, sem problemas.
Faz quase duas horas que minha sogra me mandou mensagem dizendo que ele chegou lá muito abatido e perguntando o que aconteceu. Eu não respondi e pra ser sincera, nem quero papo. Ainda me sinto muito responsável por ele estar mal agora, mas ele tem que aprender a lidar com isso. E eu também tenho que aprender.
Obrigada pelas mensagens carinhosas e pelo apoio de todos.
submitted by sad__cloud to desabafos [link] [comments]


2020.11.06 22:20 Creids258 Meu professor de Direito de Família é um chato

Ele até que é um cara bacana, mas fica enchendo o saco para nós alunos ligarmos as câmeras e microfones, eu até entendo o porque, mas ele é insuportável. Ele me expulsou da reunião hoje porque não respondi ele, sendo que estava prestando atenção na aula e estava digitando no chat enquanto ele me chamava, porra, falei com ele que estava com problema na internet, ninguém suporta ele só umas meninas da minha sala nas quais ele conversa muito. Tentei entrar de novo mas não conseguia e ao pesquisar sobre eu descobri que quando um moderador remover um participante da reunião ele não poderá mais voltar, somente se este moderador abrir outra reunião. Eu estou muito puto, cara chato, não entendo a matéria dele que fala sobre Direito de Família, mas fazer o que? Os professores não podem obrigar os alunos a interagir um amigo meu me falou isso hoje, minha vontade é de não entrar mais na aula desse cara, assim como não podem nos obrigar a responder no microfone e abrir a câmera.
submitted by Creids258 to desabafos [link] [comments]


2020.11.04 03:32 agirlwhoshoulddie Minha sexualidade é um desastre parafilico

Eu sou uma mulher, e foram os meus amigos do fundamental os primeiros as perceber que eu tinha tendências homossexuais. Me disseram que notaram isso por causa do jeito que eu olhava pras outras meninas e por causa do meu nervosismo sempre que alguma menina chegava perto de encostar em mim.
Acontece que eu nem sei se sou homossexual e não assumo isso ou qualquer outra relação com a comunidade LGBT e não é nem por causa da minha família. Meus pais são super tolerantes e já me disseram que eu nunca vou precisar esconder quem eu realmente sou deles. Eu só não sinto atração sexual direta por outras pessoas. Eu posso achar alguma outra mulher atraente, mas não tenho nenhum desejo de tocá-la ou beijá-la. Gosto de observá-la de longe, sem estabelecer nenhum tipo de contato. Eu aprecio a beleza das pessoas da mesma maneira que eu aprecio a beleza de um animal no zoológico. Estranho, eu sei. O mesmo se aplica para homens, mas não com tanta intensidade que acontece com mulheres.
Eu me excito normalmente, mas nunca tenha vontade de ter uma relação sexual com outra pessoa, prefiro mil vezes as minhas próprias mãos. Uma vez uma colega de ofereceu pra me beijar, e eu não aguentei nem 2 segundos direito. Foi uma sensação horrível, subiu um calafrio pela minha coluna e eu tive o impulso de ir pra trás. Não, não é porque não sou homo, eu tentei beijar um menino e quando ele chegou perto eu precisei colocar a mão na boca dele e dizer que não podia.
Enfim, minha companhia ocasional sempre foi a pornografia, mas não os com pessoas reais...Eu sempre preferi um hentai (na forma de mangá mesmo) yuri, e sou exigente quando a questão é traço e qualidade da história e das cenas. Me sustentei nisso por muito tempo, mas depois comecei a enjoar. Comecei a ler outros gêneros que eu normalmente diria "puta merda que coisa horrível" e como resultado acabei descobrindo umas 3 parafilias minhas, e só 1 não é crime de realizar.
As outras 2 envolvem violência, e não tô falando de nada kinky, não tem nenhum erotismo envolvido mas mesmo assim é considerado parafilia. São crimes, e muito ruins. Um deles em especial tem me afetado muito, mas graças à quarentena não tá sendo um problema tão grande.
Eu quero comer outra mulher. Não tô falando de sexo não, tô falando no literal. É bizarro e não tô à fim de ficar lendo julgamentos sobre isso, pois eu não escolhi sentir o que sinto. Toda vez que eu me pego olhando pra uma mina eu nem chego mais a apreciar a beleza dela, cara. Tudo no que eu consigo prestar atenção é na pele, a maciez dos músculos, a quantidade de gordura, e tento deduzir a idade dela. Não tenho interesse nenhum em garotas abaixo de 18 e acima de 30. E eu quero comer a carne crua, arrancando do corpo com os dentes afuhsaghufsgh. Eu comecei a sentir o odor corporal das pessoas com uma intensidade maior do que o que antes era o normal pra mim, e se eu pegar um ônibus em que tem uma mulher perto de mim sem nenhum perfume ou fedor, minha imaginação começa a metralhar minha cabeça.
Sim, eu faço acompanhamento psiquiátrico, o profissional disse que eu precisava voltar a tomar um remédio pra controlar meus impulsos. Vida foda.
submitted by agirlwhoshoulddie to desabafos [link] [comments]


2020.11.03 03:18 inmaskin Eu perco o interesse fácil

Uns dias atrás, eu e minha mãe estávamos conversando sobre a minha irmã e como ela é iludida facilmente por homens. Até hoje que eu saiba, todos os caras com quem ela se envolveu, acabou machucando ela de alguma forma, e esse era o assunto. Aí minha mãe falou que isso é coisa da vida e que as pessoas te iludem e a gente tem que se acostumar com isso. E foi nesse ponto que algo me tocou.
Quando ela falou isso, eu me dei conta que eu fui esse tipo de cara, que brinca com os sentimentos das pessoas, com duas garotas que eu conheci no Tinder com quem eu me envolvi recentemente. Há um tempo atrás, eu vi um post aqui de alguém desabafando falando de sua raiva por pessoas que iludem as outras, as vezes usando até seus problemas como desculpa pra isso, e eu lembro que quando li isso, parecia que era pra mim.
A primeira delas era tipo, uma pessoa incrível, foi a menina mais especial que eu conheci no Tinder (o que eu não imaginava encontrar lá). A gente saiu e foi bem daora, ela era bem tímida e eu que tive meio que controlar a situação kkk, mesmo não sendo bom nisso, e isso me encantava nela. A gente marcaria de sair de novo, porém ela morava um pouco longe de mim e a rotina dela era bem fechada, ela fazia uns cursos e não sobrava muito tempo, mas não era nada que não seria fácil de lidar. Por conta disso com o tempo eu simplesmente me afastei e não respondi ela no Wpp, sem dar motivo eu só sumi, e isso foi há um pouco mais de um ano. Eu sinto que eu perdi uma chance de poder ter alho com uma das melhores pessoas que eu conheci.
A segunda, era super bem humorada, uns três anos mais nova que eu, mas já era até madura pra idade dela. Eu conheci ela na época que eu ainda conversava com a primeira, e conhecer ela também foi um motivo pra eu deixar de falar com a primeira. A gente saiu e conhecer ela pessoalmente foi bem melhor que nas redes sociais. Depois desse encontro, a gente ainda conversou bastante e até tentamos nos encontrar de novo, mas nunca dava, nossa disponibilidade nunca era compatível, o que me desanimou bastante. E depois da pandemia nossa relação só foi decaindo, até chegar um ponto que esses dias eu não respondi a última mensagem dela, sumi e virei só mais uma visualização no status do Whatsapp.
Eu não me sinto nem um pouco bem com isso, muito pelo contrário, e eu sei que pra mim mesmo eu uso meus problemas comigo mesmo pra justificar meu sumiço, e eu sei e consigo ver claramente que eu sou o problema, que minha falta de interesse repentina e falta de empatia é que causa isso. Vendo como minha irmã está se sentindo ultimamente por conta de outro cara, fez eu me perguntar como essas duas garotas estão se sentindo ou como elas se sentiram por minha causa. Eu até tentei por algum tempo nem pensar nisso, mas eu só tava tentando esconder o fato de eu poder ter cagado na vida e no psicológico de alguém por conta das merdas que eu sinto, mas que ainda são problemas meus.
Pedir desculpas não adianta, como eu vi nesse posto que eu citei, e nada que eu fale ou que eu faça vai mudar o fato de eu ser um merda que sai da vida de pessoas achando que vai ficar tudo bem, sendo que não vai. Hoje eu percebo isso e em muitos dias eu me odeio só de pensar que talvez (eu espero que não) eu tenha feito pessoas que nem tem a ver com o que se passa comigo, sofrerem. Independente do que eu fale com elas ou comigo mesmo, nada vai mudar, pelo menos não mais.
Hoje eu sinto como se eu não merecesse alguém, e eu tenho medo de voltar a fazer o mesmo. Eu comecei a me envolver com outra garota, e eu gosto dela, mas por uns motivos, já tem uns dias que a gente não se fala, e eu começo a pensar que eu tô voltando a fazer o mesmo, então o pensamento de que eu deva ficar sozinho começa a me perturbar. Enfim, as vezes é difícil dormir comigo mesmo.
Eu não sou nenhuma vítima e nem quero ser egocêntrico demais, então qualquer crítica ou xingamento, vai ser normal pra mim, eu mesmo já faço isso sempre. Eu só precisava falar isso pq tá me sufocando cada dia mais.
submitted by inmaskin to desabafos [link] [comments]